CONVÍVIO HARMONIOSO


CONVÍVIO HARMONIOSO

Ancestralidade comprovada. Lobos e cães podem cruzar, gerando descendência fértil. O pesquisador Peter Savolainen, do Instituto Real de Tecnologia de Estocolmo, Suécia, analisou o DNA de cães do mundo inteiro e lobos da Eurásia e encontrou semelhanças genéticas que atestam que os cães domesticados descendem dos lobos.

Com o advento da domesticação, os lobos foram utilizados pelo homem para caçar e também para protegê-los. A alimentação básica era a carcaça das suas presas. Tudo isso bem antes da prática da agricultura (+ou- quinze mil anos atrás).

As  alcateias são compostas em média por 5 lobos, eles vivem e caçam em bando, agrupando-se socialmente de maneira muito complexa em relação aos animais não primatas. O casal líder é chamado de alfa, eles são capazes de viverem com afetividade. Talvez por isso os seus descendentes sejam considerados os melhores amigos do homem.

 O ser humano, no entendimento dos cães, faz farte de um grupo. Portanto, faz-se necessário um líder, quer seja um cão quer seja um homem para gerir essa matilha. Líderes impõem normas e regras. Pois bem, o cão irá seguir o ser humano como um líder e aceitar o seu comando.

Naturalmente, o líder faz sua refeição em primeiro lugar, depois alimenta o grupo, ordena os ataques, demarca o território, permanece à frente dos comandados e mantém ordem e paz no convívio. Os cães obedecem à hierarquia grupal. Mas, o líder é permanentemente testado. Esse líder da matilha é o dono humano e a família é a matilha.  Essa relação entre homens e cães está explicada.

 Se isso está tão claro, pelos fatos atuais, “esse” líder da matilha não está exercendo o seu papel no grupo.

Vejamos o que acontece em toda parte: abandono, reprodução descontrolada, maus tratos, abusos, propagação de doenças infectocontagiosas, zoonoses, alimentação inadequada, ambiente modificado, um verdadeiro desrespeito aos animais, nitidamente uma falta de comando e de controle.

O ser humano está descumprindo o seu papel de líder da matilha. “Talvez fosse a hora de passar esse papel para o cão”.

                                                                                                                 DILEUSA ALVES

                                                                                                             Médica Veterinária

Seja o primeiro a avaliar!


Adicionar aos favoritos

21 dez 2016


Por Dileusa Alves
Anuncie