AJUSTE FUNCIONAL


AJUSTE FUNCIONAL -  FONOAUDIOLOGIA

Quando falamos em FONOAUDIOLOGIA, normalmente nos remetemos a pensar em linguagem, no profissional que auxilia o desenvolvimento adequado da fala. Nesta matéria vamos informar que é primordial ter condições físicas, estruturais, musculares e funcionais necessárias a um bom desenvolvimento e que este também é uma das atuações deste profissional.

Quando nascemos recebemos o primeiro grande estímulo que é a amamentação. Neste momento, o bebê aprende a coordenar três ações fundamentais que são coordenadas entre si, a sucção, a deglutição e a respiração. Quando o bebê é amamentado ao seio materno o mesmo recebe estímulo para desenvolver toda a musculatura da face, lábios, bochechas, correto posicionamento da língua, bem como é um dos desencadeantes principais para o crescimento da mandíbula. Sem contar com a importância da relação que se estabelece de vínculo e afeto entre a mãe e o bebê.

Com a introdução dos alimentos por volta dos seis meses de idade, inicia-se a erupção dentária e com a ingesta evolutiva de alimentos não liquidificados, a criança por volta dos doze meses de idade já está sendo alimentada com a comida da mesa de sua família. Hábitos como o uso do bico quando utilizado, devem ser remetidos apenas a hora de dormir devendo ser retirado antes dos dezoito meses, pois nesta idade ainda não se estabeleceu a dependência consciente deste objeto. Este padrão seria o ideal.

Estas informações são importantes devido ao grande número de crianças com alterações nas arcadas dentárias, lábios entreabertos, projeção de língua, respiração oral e dificuldades de linguagem. Vários estudos publicados referem o uso do bico e mamadeira prolongados, crianças que não foram amamentadas ao seio materno, problemas respiratórios constantes e recorrentes, alimentação com pouca ingesta sólida, como fatores principais das alterações musculares e dentárias comparado aos que possuem herança genética entre outros fatores com menor recorrência.

A fonoaudiologia neste momento atua no que tecnicamente chamamos motricidade oral, onde parte-se das estruturas individualizadas e que desempenham as funções de respiração, sucção, mordida, mastigação, deglutição e fala. Estas funções agem de forma correlata e conjunta, onde uma desordem em qualquer das estruturas leva a um desequilíbrio generalizado.

A fonoaudiologia atua em conjunto com a adequação realizada pelo odontopediatra, ortopedista funcional e ortodontista, no que se refere a adequar a função, visando o equilíbrio muscular e funcional de forma individualizada e específica de cada paciente. O momento da intervenção fonoaudiológica é definido conforme os avanços clínicos ou como pré-condição em algumas situações anterior a intervenção mecânica, aparelhos, propriamente dita.

O tratamento baseado na adequação das funções é primordial sendo o meio fisiológico para atingir a automação da respiração, mastigação, deglutição e fala. A generalização destas ações na rotina de vida diária é que fazem o sucesso da intervenção.    

“Raramente se encontra uma oclusão que seja somente um problema dentário, muscular ou ósseo. As interações de crescimento são tão íntimas que uma mudança em um tecido facilmente afeta o outro” (Moyers).

Fga. Vanessa Carivali Pereira - CRFa/RS 6542

Seja o primeiro a avaliar!


Adicionar aos favoritos

21 dez 2016


Por Vanessa Carivali Pereira
Anuncie